Pesquisa

Não existem registos

Não existem registos

Não existem registos

Diarreia

 

A diarreia é o aumento do número de dejeções, de consistência mole ou líquida. A causa mais frequente é a infeção do intestino (gastroenterite). Habitualmente é banal e desaparece espontaneamente, enquanto noutras ocasiões pode persistir durante dias ou semanas. Outras vezes pode dever-se a alguma doença que necessite de tratamento médico.

 

Pode acompanhar-se de febre, vómitos, falta de apetite, prostração ou dor abdominal (cólicas). A diarreia leva a perda de água e sais do corpo, que em casos graves pode provocar desidratação. As crianças com diarreia de causa infeciosa podem contagiar as outras pessoas, por alimentos ou água contaminada, pela tosse ou espirros, pelas fezes e pela má higiene das mãos.

 

Diarreia

 

 

O que deve fazer?

 

  • O tratamento fundamental é prevenir a desidratação, logo é importante que a criança não deixe de beber líquidos.
  • Em lactentes que tomem leite materno pode continuar a dar-se do mesmo peito, e se tomam biberão, manter sem diluir o leite.
    • Em ambos os casos ofereça à criança entre as tomas «soro de rehidratação» ou água em pequenas colheres cada 15-20 minutos, para que beba o que quiser.
    • Se come papas mantenha-as, sem as alterar.
  • Em crianças maiores de 1 ano utilize líquidos de rehidratação oral («soros» de farmácia), que contêm água e sais que se perdem com a diarreia. Pode prepará-los em casa diluindo 1 carteira na quantidade indicada de água, que não deve estar a ferver. Sabe melhor se juntar umas gotas de limão e se estiver fresco. Guarde-o no frigorífico.
    • Em crianças pequenas utilize uma colher ou um biberão.
    • Ofereça cada 15-20 minutos e deixe-o beber o que quiser.
    • Se tiver vómitos, dê-lhe menos quantidade (pequenos golos), mas tente que beba cada 5-10 minutos, e vá aumentando a quantidade segundo a sua tolerância.
    • Se recusar os líquidos de rehidratação oral, não insista e dê-lhe água.
    • Inicie a alimentação logo que não tenha vómitos e sem forçar.
    • Pode iniciar com uma dieta de frango, peixe, legumes, batatas (tudo cozido ou em puré), arroz branco, caldo vegetal, sopa de massa, banana, maçã, marmelos, iogurte natural.
    • Para beber, se gostar, pode continuar com os «soros».
    • No primeiro dia dê-lhe leite diluído: metade do leite com a mesma quantidade de água.
    • Não adicione açúcar e evite alimentos com gordura.
    • Não deve beber refrescos de cola nem sumos. Pode reintroduzir-se a alimentação habitual de maneira progressiva em 1 ou 2 dias.
  • Não lhe dê antibióticos nem medicamentos para suspender a diarreia, a menos que o seu médico lhos receite.
  • Para prevenir o contágio, tanto a criança como o seu cuidador devem lavar bem as mãos, especialmente os dedos e as unhas. É conveniente lavar as mãos após a criança ter ido à retrete, ao mudar o bacio, ao lavar-se e antes de comer. Se o cuidador manipula alimentos deve lavar as mãos antes de o fazer.
  • Se tem mais de 38º0 C de febre, pode utilizar paracetamol na dose habitualmente recomendada pelo seu médico.

 

 

Quando consultar o seu médico de família?

 

  • Se a criança tem febre alta, está muito cansada ou sonolenta.
  • Se tem a boca muito seca, chora sem lágrimas ou urina pouco.
  • Se tem sangue nas fezes ou se estas são negras.
  • Se a diarreia dura há mais de 2-3 dias.
  • Se vomita tudo o que bebe, inclusive os líquidos em pequenos goles.
  • Se as cólicas não acalmam.
  • Se tem diarreia depois de ter viajado a países tropicais.

 

 

Excerto do Guia Prático de Saúde - da semFYC (Sociedad Española de Medicina de Familia y Comunitaria)

Traduzido e adaptado pela APMGF (Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar), julho 2013.