Pesquisa

Não existem registos

Não existem registos

Não existem registos

Hipertrofia Benigna da Próstata

 

A próstata é uma glândula do tamanho de uma noz que rodeia a uretra e está situada por baixo da bexiga e à frente do reto. Existe unicamente nos homens e produz um líquido que faz parte do sémen. O aumento do seu tamanho é frequente nos homens com mais de 50 anos. Esse aumento designa-se por hipertrofia benigna da próstata e não está relacionado com o cancro da próstata. Uma próstata grande pode comprimir a uretra tornando difícil a micção.

 

Assim os primeiros sintomas costumam ser a diminuição do jato urinário, o desejo de urinar mais frequentemente (sobretudo durante a noite) e a necessidade de fazer um maior esforço para conseguir urinar.

 

Mais tarde pode aparecer um gotejar após a micção e dor ao urinar. Estes sintomas requerem a realização de um toque retal pelo médico que lhe irá permitir determinar o tamanho e as caraterísticas da próstata. Lembre-se que apesar de incómodo o toque retal não é doloroso. Normalmente são também realizadas análises de urina e de sangue e em algumas ocasiões pode ser necessária uma ecografia da próstata e eventualmente uma biópsia.

 

Hipertrofia Benigna da Próstata

 

 

O que deve fazer?

 

No início pode não necessitar de tratamento, podendo apenas tomar alguns dos cuidados a seguir indicados, por forma a minimizar os sintomas incomodativos:

  • Beba líquidos em pequenas quantidades e a intervalos regulares de tempo. Uma boa hidratação previne infeções e a formação de cálculos.
  • Evite ingerir grandes quantidades de líquidos em pouco tempo, sobretudo ao jantar. Evite as refeições copiosas.
  • Elimine as refeições com alimentos indigestos (salsichas, picantes, salgados, especiarias) e cafeína.
  • Diminua a ingestão de álcool devido ao seu efeito irritante sobre a próstata.
  • Urine sempre que sinta necessidade, não atrase a micção.
  • Mantenha-se calmo mesmo que demore alguns segundos a começar a urinar. Exerça uma pressão progressiva e nunca brusca com os músculos abdominais.
  • Evite estar sentado muito tempo. É aconselhável realizar passeios diários com o fim de descongestionar a região pélvica.
  • Evite as viagens longas; faça paragens de 10 minutos para caminhar e urinar.
  • Evite montar a cavalo, bicicleta ou mota.
  • Evite a obstipação.
  • Lembre-se de urinar antes de sair de casa ou antes de fazer uma viagem longa.
  • O stress e o nervosismo podem fazer com que urine mais vezes.
  • Aprenda a fazer exercícios abdominais e pratique-os para fortalecer a pélvis.
  • Procure manter relações sexuais com regularidade, se possível completas, ou seja, com ejaculação; tal irá ajudar a diminuir a sensação de congestão pélvica.

 

 

Quando consultar o seu médico de família?

 

  • Se seguiu os conselhos práticos anteriores durante pelo menos 2 meses e não conseguiu alívio dos sintomas.
  • Se notar que a bexiga não fica completamente vazia após urinar.
  • Se estiver a tomar medicamentos que podem causar problemas urinários não deve suspendê-los sem consultar o seu médico.
  • Se tiver sangue na urina.
  • De forma urgente se aparecer febre, calafrios, dor abdominal, dor na região das costelas e no caso de incapacidade súbita para urinar.

 

Quando os sintomas são intensos o seu médico pode propôr outros tratamentos com medicamentos ou cirurgia.

 

Provavelmente também deverá realizar exames periódicos para acompanhamento dos sintomas e ajuste do tratamento.

 

 

Excerto do Guia Prático de Saúde - da semFYC (Sociedad Española de Medicina de Familia y Comunitaria)

Traduzido e adaptado pela APMGF (Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar), julho 2013.