Pesquisa

Não existem registos

Não existem registos

Não existem registos

Asma na criança

 

A asma é uma doença geralmente crónica dos bronquíolos, pequenos canais que levam o ar aos pulmões. Os bronquíolos dos asmáticos são mais sensíveis e respondem de maneira exagerada quando entram em contacto com alguns irritantes (fumos, pó, pelos, etc.). Estes produzem uma inflamação que estreita os bronquíolos, que dificulta a passagem do ar e provoca falta de ar, tosse, sibilos ao respirar e opressão no peito.

 

É muito frequente nas crianças (inclusivamente nos lactentes), sobretudo em crianças alérgicas e nos que têm familiares com asma. Pode iniciar-se em qualquer idade.

 

A asma não é contagiosa e é controlável com tratamento, podendo habitualmente levar-se uma vida normal.

 

Asma na criança

 

 

O que deve fazer?

 

  • Evite aquilo que pode produzir ataques (ou crises) ou piorar a asma, como o fumo do tabaco, pó da casa, pólen das flores e árvores, pelos de animais, humidade excessiva, gripe e constipações, ar frio, exercício, stress, contaminação do ar, perfumes, baratas.
  • Ante um ataque de asma, mantenha-se tranquilo e utilize corretamente a medicação que o seu médico lhe explicou e indicou.
  • Há dois tipos de medicamentos:
    • Uns que se tomam durante os ataques e produzem um alívio rápido.
    • Outros que se tomam diariamente para prevenir os ataques, se estes são frequentes.
  • A medicação toma-se normalmente de forma inalada, pela boca, mediante um aerossol ou spray. Para isso utiliza-se uma câmara expansora, que é um tubo grosso de onde a criança aspira o ar e a dose do aerossol.
  • Vacine a criança contra a gripe todos os anos.
  • Os antibióticos não servem para tratar a asma.
  • Em algumas pessoas asmáticas, certos medicamentos podem piorar a asma. Evite dar à criança aspirina ou ibuprofeno se esta nunca os tomou. Para tratar a febre ou a dor pode dar, se necessário, paracetamol.
  • A criança pode praticar desporto. Consulte o seu médico, para averiguar se precisa de tomar alguma dose de medicação antes de fazer exercício.
  • Mantenha as medidas ambientais no quarto da criança, sobretudo se esta for alérgica ao pó:
    • Deve ser arejado, bem iluminado e sem humidade.
    • O chão deve ser de soalho e as paredes devem estar pintadas. Tire as alcatifas, tapetes, roupeiros com portas de tabuinhas, estantes de livros e cortinas ou, se não pode prescindir dos mesmos, lave-os frequentemente.
    • Retire os peluches, cartazes e objetos que possam acumular pó. Os brinquedos devem ser laváveis.
    • Cubra os colchões e almofadas com cobertas anti-alérgicas. Utilize edredões sintéticos, não de penas, em todas as camas do quarto.
    • Lave com água quente, a uma temperatura superior a 600º C, as mantas e cobertas do colchão cada 2 semanas, e os lençóis e fronhas semanalmente.
    • Limpe o quarto com frequência, de manhã, com a janela aberta e sem a criança lá dentro. Utilize o aspirador e lave, não use vassouras ou espanadores. Para tirar o pó utilize um trapo húmido. Aspire o colchão e a almofada diariamente.
  • No resto da casa: não fume dentro de casa ou no carro; evite ter animais domésticos ou que a criança esteja com eles; mantenha limpas e arejadas cozinhas, casas de banho e caves; evite a humidade excessiva; aspire frequentemente sofás e móveis almofadados; utilize detergentes e produtos de limpeza sem cheiro, e evite fumos e odores da cozinha.

 

 

Quando consultar o seu médico de família?

 

  • Se a criança tem tosse ou sibilos durante a noite.
  • Se tem ataques frequentes de asma.
  • Se se cansa apesar do tratamento.
  • Consulte urgentemente:
    • Se tem uma crise e não melhora após 20 minutos a tomar a medicação para os ataques.
    • Se o tom de pele, lábios ou unhas se torna azulado.
    • Se tem falta de ar ao respirar ou ao caminhar.
    • Se durante a respiração a pele do pescoço e costelas afunda para dentro.
    • Se teve episódio de perda de consciência.

 

 

Excerto do Guia Prático de Saúde - da semFYC (Sociedad Española de Medicina de Familia y Comunitaria)

Traduzido e adaptado pela APMGF (Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar), julho 2013.