Pesquisa

Não existem registos

Não existem registos

Não existem registos

Úlceras bucais. Aftas

 

As aftas são lesões benignas que surgem como úlceras dolorosas brancas ou amarelas, por vezes rodeadas de uma área de cor vermelha. Frequentemente surgem na face interna das bochechas e lábios, por debaixo da língua, no palato mole e nas gengivas.

 

Ocorrem em qualquer idade, mas sobretudo entre os 10 e 40 anos, e mais em mulheres. Em algumas famílias são mais frequentes, mas não são contagiosas.

 

Podem suceder a manipulações dentárias, limpeza dentária intensa ou ao se morder a língua ou bochecha. Ainda que geralmente não se conheça a causa, o stress tem sido implicado no seu aparecimento. As infeções, a falta de vitaminas, a gravidez, a menstruação e a alergia a alimentos também têm sido relacionadas com as aftas.

 

Antes que surja a dor pode notar-se uma sensação de ardor ou formigueiro local.

 

A dor diminui em 7 a 10 dias e só desaparece em 1-2 semanas sem tratamento. As úlceras com diâmetro superior a 1 cm podem demorar a curar cerca de 3-4 semanas. Algumas pessoas apresentam-nas com frequência de tempos a tempos.

 

Úlceras bucais. Aftas

 

 

O que deve fazer?

 

  • Evite os alimentos quentes, ácidos, ou muito condimentados.
  • Mantenha uma correta higiene da boca, dentes e bochechas com escova adequada.
  • Bocheche com água e sal ou com clorohexidina sem álcool depois de lavar os dentes.
  • A aplicação de solução de água oxigenada diluída a metade com água sobre a úlcera alivia a dor.
  • Agende uma visita anual ao seu dentista.

 

Úlceras bucais. Aftas

 

 

Quando consultar o seu médico de família?

 

  • Se a úlcera tiver mais que 1 cm.
  • Se o impedir de comer.
  • Se durar mais de 2 semanas.
  • Se os sintomas das aftas dolorosas persistem ou pioram.
  • Se reaparecem mais de 3 vezes por ano.
  • Se tiver febre, diarreia, dor de cabeça ou erupções na pele.

 

 

Excerto do Guia Prático de Saúde - da semFYC (Sociedad Española de Medicina de Familia y Comunitaria)

Traduzido e adaptado pela APMGF (Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar), julho 2013.