Pesquisa

Doença de Parkinson

 

A doença de Parkinson é uma doença crónica que afeta, fundamentalmente, o movimento. Os seus sintomas principais são o tremor, a rigidez, os movimentos lentos e os problemas no andar e no equilíbrio.

 

O diagnóstico faz-se através dos sintomas, ainda que, no princípio da doença, quando os sintomas são ligeiros, possa ser difícil fazê-lo. Não é necessário fazer nenhum exame ou análises para diagnosticar a doença. Existem algumas doenças que parecem ser Parkinson, mas que na realidade, não o são e medicamentos que produzem os mesmos sintomas.

 

Para encarar esta doença, é muito importante a atitude e a participação do doente e seus familiares: a maior parte das pessoas com Parkinson podem levar uma vida independente e ativa, apesar das limitações impostas pela doença.

 

Doença de Parkinson

 

 

O que deve fazer?

 

  • O objetivo do tratamento é melhorar os sintomas. O seu manejo pertence ao médico. Não suspenda de forma brusca a medicação.
  • Além dos medicamentos, existem medidas que têm grande utilidade no controlo da doença. Adote-as como suas e seja o protagonista do seu desenrolar:
    • Não hesite em pedir ajuda. Não se vence a doença sozinho. Os grupos de pessoas com o mesmo problema (Associações dos Doentes de Parkinson) podem ajudá-lo. Pode ser necessário tratamento psicológico.
    • Coma de forma saudável e variada, com uma dieta rica em fibra para prevenir a obstipação. Coma devagar e em pouca quantidade de cada vez. Se tem dificuldade em engolir, evite os alimentos muito líquidos (sopas, caldos, etc.).
    • Não beba álcool.
    • Faça exercício. Na medida das suas possibilidades e sem forçar, siga um programa de exercícios:
      • Caminhar, correr ou nadar 20 minutos, pelo menos, 3 vezes por semana.
      • Alongamentos: trabalhe os músculos que estendem as articulações para evitar posturas presas.
    • Exercite a mente: leia, jogue, converse, pense, mantenha as suas relações sociais.
    • Quando aparecerem as limitações, adapte o ambiente à sua volta de acordo com as suas necessidades.
    • Evite sofás e assentos baixos, cadeiras com braços e costas rígidas. Evite tapetes e obstáculos nos quais possa tropeçar. O chão não deve ser escorregadio. É melhor utilizar um poliban do que uma banheira.
    • Adapte a sua roupa; é melhor o velcro que os botões, fechos ou cordões. Para barbear-se é melhor utilizar uma máquina elétrica do que lâminas. Informe-se acerca dos utensílios de ajuda para comer.

 

 

Quando consultar o seu médico de família?

 

  • Esta doença precisa de um seguimento médico continuado, pelo que deve consultar o médico de família, ou o especialista, em intervalos regulares. É especialmente conveniente procurar o médico se ocorrer algumas das seguintes circunstâncias:
    • Não tolerar a medicação.
    • Surgirem efeitos secundários.
    • Surgirem sintomas novos.
    • Agravar o seu estado.

 

 

Excerto do Guia Prático de Saúde - da semFYC (Sociedad Española de Medicina de Familia y Comunitaria)

Traduzido e adaptado pela APMGF (Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar), julho 2013.